21.08.17 - Notícia: Mercado Aberto: Sem receita

21/08/2017

Folha de S.Paulo - Colunista: Maria Cristina Frias

A farmacêutica Aché planeja ampliar a participação de produtos fitoterápicos e funcionais dentro da companhia, segundo o presidente, Paulo Nigro.

A empresa vai lançar uma linha específica do segmento —ela deverá fazer parte de seu projeto de internacionalização, que terá o México como alvo inicial.

"É preciso se especializar para se diferenciar no mercado externo, e a biodiversidade do Brasil tem um potencial subutilizado."

A princípio, a linha terá dois itens que já eram fabricados pela Tiaraju, laboratório do setor comprado em 2016. Há também outros 20 à espera de liberação.

Os produtos isentos de prescrição —nos quais os fitoterápicos estão inclusos— representam 10% da receita líquida da Aché. No mercado, a fatia é de 27%.

"Nosso portfólio cobre 40% do universo total do segmento, ainda temos uma presença pequena."

A expansão internacional não será feita por meio de compra de empresas estrangeiras, segundo o executivo, que diz ter "matado" a possibilidade de um IPO [oferta inicial de ações].

"Assim que assumi, em 2015, tirei a ideia da agenda. O que está no plano hoje é crescer de forma orgânica e usar aquisições para suprir lacunas de produção, como foi a da Tiaraju."

R$ 2,7 BILHÕES foi a receita líquida em 2016, que deve subir 11% neste ano