11.02.20 - Notícia: Primeiro remédio à base de cannabis está pronto para registro

11/02/2020 

Valor Econômico - Jornalista: Ana Paula Machado

- A GreenCare, empresa do fundo de investimento Greenfield Global Opportunities, vai apresentar ao mercado brasileiro o primeiro medicamento à base de cannabis a ser vendido em farmácia. Martim Mattos, presidente da empresa, disse que o remédio será submetido à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para registro assim que a resolução, que libera a venda de medicamentos, começar a valer.

A regulamentação, aprovada em dezembro de 2019 pela agência, determina que estes medicamentos devem ser vendidos exclusivamente em farmácias e drogarias, mediante prescrição médica. “Estamos nos adiantando para sermos os primeiros a vender esse tipo de medicamento nas farmácias. O tempo que estará nos pontos de venda vai depender da concessão do registro pela Anvisa. Mas, em meados de março, já entraremos com o processo”, disse Mattos, que durante anos esteve à frente da diretoria financeira da Hypera.

Segundo ele, a meta é ter no portfólio três linhas de medicamentos. O primeiro deles é o que contém, em sua composição somente o cannabidiol (CBD) e seu uso será indicado para o tratamento da epilepsia. Nesse primeiro momento será ofertado no mercado brasileiro o medicamento em cápsulas. Depois de consolidado, salientou Mattos, será lançado a versão em óleo.

“Essa é a linha que chamamos de Iso. Teremos ainda duas famílias: a Full, que terá medicamentos com o teor de THC no limite permitido pela Anvisa em sua composição, e a Duo, em que terá CBD e THC na proporção 10/1”, afirmou o executivo.

Para atender esse novo mercado, a companhia deverá aumentar as equipes de propaganda médica no país. Hoje, a GreenCare tem cerca de 20 pessoas que atuam em sete capitais brasileiras, dentre elas São Paulo e Rio de Janeiro. “No ano passado oferecemos informação científica qualificada e educação médica continuada para 3,5 mil médicos. Nossa meta para 2020 é atingirmos a marca de 9 mil médicos”, afirma Mattos.

Segundo o executivo, até o final deste ano, o plano de expansão da companhia prevê chegar em todos os estados brasileiros. “Estamos nos preparando para atuar nesse mercado. Hoje, temos uma posição de liderança na importação de medicamentos e a meta é repetir esse desempenho.”

Atualmente, a empresa atende, por importação, cerca de 1,7 mil pacientes e, segundo o executivo, mesmo com a venda em farmácia, o negócio de importação se manterá.
“Quem importa os medicamentos são os pacientes, nós fazemos a intermediação do processo. Acredito que, a medida que as vendas em farmácias se consolidem, as importações serão cada vez mais restritas”, ressaltou Mattos acrescentando que os remédios importados são produzidos por meio de acordo com um fabricante nos Estados Unidos.

A GreenCare pertence ao fundo canadense criado por Mattos, Marcelo Marco Antônio, herdeiro dos fundadores do Hospital São Luis, Nelson Cury, fundador da Geneseas, dona da marca Saint Peter. Segundo Mattos, o fundo conseguiu captar R$ 140 milhões para investimentos em negócios desse segmento. “Temos um cheque em branco para esse projeto no Brasil. Ainda não podemos informar qual será o nosso parceiro [fora do Brasil] para produção desses medicamentos, mas atende todas as exigências da Anvisa”, disse Mattos, acrescentando que o fundo tem dois ativos na Colômbia para o cultivo da planta e extração dos princípios ativos.