08.06.20 - Notícia: Decreto de logística reversa é publicado e BHS celebra 500 toneladas de medicamentos já coletados

Publicado 8 junho, 2020

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico

Maior projeto de coleta de medicamentos vencidos ou em desuso no país, o Programa Descarte Consciente, da Brasil Health Service (BHS), já coletou e destinou corretamente 500 toneladas em dez anos de atuação. Com displays de coleta presentes em 1.200 pontos espalhados por 22 estados, a empresa está cadastrando novos pontos em farmácias interessadas em participar do programa.

E com a aprovação do Decreto nº 10.388 no último dia 5 de junho, que implementa a logística reversa de medicamentos descartados pelo consumidor, baseada na Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), o tema ganha relevância por envolver todos os elos da cadeia farmacêutica.

A empresa BHS também é a gestora operacional do Plano de Logística Reversa da Interfarma (Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa), no qual realiza a coleta, transporte, tratamento e destinação correta do medicamento, compartilhando os custos com o varejo farmacêutico. O programa conta com a adesão das grandes redes de drogarias e também das farmácias de bairro, além de 30 indústrias farmacêuticas.

“A população está cada vez mais preocupada com a saúde pública, com a sustentabilidade e a preservação do meio ambiente. E uma farmácia que ofereça um ponto de coleta ganha a fidelização do cliente, pois ele aproveita para fazer tudo o que precisa num lugar só: a compra e o descarte correto do medicamento. Trata-se de uma prestação de serviço ao consumidor”, avalia José Agostini Roxo, CEO da BHS.

Cada quilograma de medicamento jogado fora incorretamente, no lixo comum, na pia ou no vaso sanitário, pode contaminar até 450 mil litros de água, de acordo com o Preservômetro, que mede os resultados obtidos pelo programa.

“Tanto a indústria como o varejo farmacêutico vêm abraçando essa prática, mas a regulação da Logística Reversa pode ser determinante para criar estímulo entre a população. E essa preocupação com o meio ambiente será cada vez mais valorizada na percepção da sociedade sobre as marcas do canal farma”, destaca Juan Carlos Becerra, diretor executivo do Sincofarma.

Coletor inteligente
Em cada farmácia participante, existe uma estação coletora, visando a atender às exigências sanitárias e a Norma Técnica da ABNT NBR 16457:2016 – Logística reversa de medicamentos de uso humano vencidos e/ou em desuso – Procedimento. A segurança do sistema de logística reversa é a maior prioridade, a fim de evitar qualquer tentativa de reuso do item descartado.

Nos postos de coleta em São Paulo, a empresa também oferece uma tecnologia para a listagem do medicamento descartado, por meio de leitura de código de barras inserido no próprio coletor.

“A ideia também foi de facilitar o descarte adequado dos medicamentos, sejam pomadas, sólidos, sprays ou líquidos, assegurando um sistema anti-retorno e uma altura que impede crianças de alcançarem o espaço onde os medicamentos são descartados. Isso garante a confiabilidade do programa”, ressalta Roxo.

Para saber quais os pontos de coleta espalhados pelo país e como cadastrar para participar, basta acessar o site do programa.

Política Nacional de Resíduos Sólidos
Fabricio Soler, sócio da área de ambiente e resíduos da Felsberg Associados, reforça a importância do decreto para a maior transparência do mercado farmacêutico na publicação de indicadores sobre sustentabilidade. “A medida exigirá de todo o setor privado, incluindo fabricantes, importadores, distribuidores e varejistas, divulguem um relatório anual sobre medicamentos descartados e sua devida destinação”, argumenta.