06.11.18 - Notícia: Ferramenta construída em parceria com a ANVISA é apresentada para ILAR

Conexão ABIMIP Nº 32 - 06/11/2018

Uso racional de MIPs é pauta de discussão de grupo do trabalho do ILAR para debater regulamentação farmacêutica na América Latina Crédito: Divulgação ILAR

A ABIMIP apresentou a nova ferramenta para análise dos dossiês de farmacovigilância nos processos de reclassificação regulatória (switch) desenvolvida em parceria com a ANVISA, além dos primeiros resultados da iniciativa, durante a reunião do Grupo OTC organizada pela Associação Latino-Americana de Autocuidado Responsável (ILAR), dentro da IX Conferência Pan-Americana de Harmonização da Regulamentação Farmacêutica. O encontro anual reúne autoridades, especialistas, representantes da indústria e de agências reguladoras para trocar opiniões e compartilhar melhores práticas de regulamentação farmacêutica na região das Américas. Outros temas de destaque abordados nas reuniões do Grupo OTC foram Marcas, Celeridade, Comércio Digital e Importância Econômica dos OTCs.

Para o presidente da ABIMIP, Rodrigo Garcia, que representou a entidade no evento, do qual também participou a diretora da ABIMIP, Katherine Ruas (GSK), o congresso é uma importante oportunidade para o fortalecimento do trabalho das agências reguladoras da região: “Neste ano um tema que chamou a atenção foi o da CONFIANÇA entre as agências. Ao criar uma rede de confiança conseguimos ampliar parcerias e até economizar recursos, públicos e privados”.

Rodrigo Garcia é membro do grupo de trabalho OTC ILAR, dedicado a discutir a regulamentação farmacêutica na América Latina, abrangendo qualidade, segurança, eficácia e uso racional de medicamentos isentos de prescrição. O grupo é formado ainda pelo diretor executivo da ILAR, Juan Thompson e pelo coordenador da Agência Argentina de Medicamentos, Alimentos e Tecnologia Médica, Sebastian Fernandez, além de outros representantes da indústria de medicamentos isentos de prescrição médica e das principais agencias reguladoras da região, Brasil, Colômbia e México.

América Latina poderia poupar US$ 1,5 bilhão com MIPs
Os países da América Latina poderiam poupar pelo menos US$ 1,5 bilhão se tratassem 50% dos casos de doenças comuns com medicamentos isentos de prescrição (MIPs). O dado aparece em estudo realizado pela Associação Latino-Americana de Autocuidado Responsável (ILAR), apresentado na IX Conferência Pan-Americana de Harmonização da Regulamentação Farmacêutica, realizada em El Salvador, de 24 a 26 de outubro.

Assim como no Brasil, na América Latina o crescimento natural da população, junto com uma maior expectativa de vida, aumentou o número de pessoas que demandam de serviços de saúde. Esses sistemas apresentam, cada vez mais, dificuldade em lidar com o incremento de usuários e precisam adotar políticas para conter e racionalizar custos. Para Rodrigo Garcia, presidente da ABIMIP, a pesquisa mostra a importância dos MIPs para a saúde pública: “Este estudo confirma os dados que obtivemos há dois anos ao confirmar a importância dos MIPs não só para o cidadão, valorizando o autocuidado, como também para o sistema de saúde, como mecanismo de gestão orçamentária”.

Parte importante do autocuidado, os MIPs em suas indicações autorizadas, avalia, representam um elemento favorável para a eficiência do sistema nacional da saúde, devido à sua acessibilidade para grandes grupos populacionais e seus custos relativamente baixos.

A pesquisa concentrou-se em doenças comuns, como o resfriado, a diarreia aguda, a candidíase vulvovaginal e a lombalgia inespecífica, analisando o comportamento de uso de medicamentos em pacientes na Argentina, no Chile, no México, na Colômbia e no Brasil. A ILAR promove na América Latina, entre outras iniciativas, o autocuidado, a mesma bandeira defendida pela ABIMIP no Brasil.