05.02.16 - Notícia: Farmoquímica compra Melora, de cosméticos

05/02/2016

Valor Econômico  - Jornalista: Tatiane Bortolozi

Classificados como cosméticos, mas com propriedades científicas garantidas pela indústria farmacêutica, os dermocosméticos movimentaram R$ 2,6 bilhões em 2015, 12% a mais que no ano anterior, segundo a IMS Health. Poucas categorias têm sido tão cobiçadas e atraído tantos novos participantes. O mais recente é o grupo FQM, dono dos laboratórios Farmoquímica e Herbarium, que comprou a divisão brasileira da Melora, fabricante de dermocosméticos do grupo espanhol IFC. O valor do negócio não foi informado.

"O mais importante é a parte estratégica", diz Fernando Itznaina, diretor-presidente do grupo FQM. Isso porque o negócio inclui um acordo de intercâmbio de tecnologia em que os produtos da FQM podem ser vendidos nos mercados do grupo IFC, enquanto a empresa brasileira, com sede no Rio, poderá lançar por aqui os produtos desenvolvidos pela Melora. "Essa talvez seja a parte mais importante do acordo, porque permite trazer um portfólio renovado nos próximos anos", afirma o executivo.

O grupo FQM é formado por três divisões de negócio: farmacêutica, especializada na venda de medicamentos como o xarope Abrilar e o anticoncepcional Anitta? nutricional, com a marca de Invictus? e dermatológica, com produtos para o tratamento de cicatrizes e acne, por exemplo. A empresa terá uma quarta divisão depois da compra da Melora, a de dermocosméticos.

O faturamento da FQM somou R$ 736 milhões em 2015, alta de 12% em relação aos 12 meses anteriores. A linha de dermatologia, sem considerar a aquisição, representa 15% das vendas, superando R$ 100 milhões, e cresceu 29% no ano passado. A Melora faturou R$ 25 milhões em 2015, alta de 10%.

"A Melora está muito concentrada nas capitais. A Farmoquímica tem uma capilaridade maior e pode ajudar a ampliar essa distribuição", diz Itznaina. Outro plano é transferir a produção da marca para a fábrica da FQM, no prazo de um a dois anos. "Os produtos são importados e o pagamento em euros e dólares acaba inviabilizando a venda de muitos itens no Brasil."

Quase toda a produção da FQM é feita na fábrica de Jacarepaguá (RJ), que está em expansão. O plano é acelerar a linha de produtos em desenvolvimento e investir em eficiência. O plano de produtividade industrial criado há cinco anos já trouxe economias de R$ 25 milhões, segundo o presidente. Uma das ideias, colocada em prática há dois anos, foi deixar o estoque mais enxuto. "A ideia é manter o patamar de rentabilidade para ter fôlego para novos investimentos."

Não é a primeira vez que o FQM entra em uma nova categoria de negócio por meio de uma aquisição. Em 2012 a companhia adquiriu a SKL Pharma, especialista em produtos para o bom funcionamento digestivo e em suplementos para nutrição. A marca foi renomeada como Invictus.

A companhia afirma que seu crescimento está acima da média do mercado farmacêutico, de 10%, e quer aproveitar o potencial do mercado de dermocosméticos, um dos poucos a ainda superar a inflação. Em 2015, o volume de vendas da categoria nas farmácias subiu 11%, para mais de 50 milhões de unidades, enquanto os preços aumentaram 12,1%, segundo a IMS Health.