02.06.16 - Notícia: Novo teste aponta que ‘pílula do câncer’ retarda tumor

02/06/2016

Folha de S.Paulo - Jornalista: Reinaldo José Lopes

Testes conduzidos a pedido do governo federal mostraram que a fosfoetanolamina, suposta “pílula do câncer”, é capaz de retardar o crescimento de tumores em camundongos—embora o faça com menos eficácia do que um quimioterápico que já é usado por pacientes humanos há décadas.

Trata-se do primeiro sucesso da substância nos ensaios conduzidos por equipes independentes a pedido do MCTIC (Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações) desde o fim do ano passado. Análises anteriores haviam indicado que a “fosfo” na verdade seria composta por diversas substâncias, além de não ter efeito contra o câncer em ensaios feitos tanto in vitro (com células tumorais em tubo de ensaio) quanto in vivo (com roedores com câncer).
Os dados contradizem o que afirmam os pesquisadores que estudam a “fosfo”, liderados por Gilberto Chierice, químico e professor aposentado da USP. Eles publicaram alguns trabalhos mostrando eficácia da substância in vitro e em cobaias. Chierice também distribuiu a pílula por décadas a pacientes, muitos dos quais afirmam ter obtido resultados positivos.

Com base no clamor popular pela liberação do uso da fosfoetanolamina, o governo federal e o do Estado de São Paulo resolveram financiar testes para avaliar a utilidade clínica da molécula.

No estudo recém-divulgado, pesquisadores do Centro de Inovação e Ensaios Clínicos, em Florianópolis, trabalharam com 40 camundongos que receberam implantes de células de melanoma humano, câncer que normalmente afeta a pele. Os animais foram divididos em quatro grupos iguais: dois deles, receberam a “fosfo” em concentrações diferentes, outro recebeu apenas soro fisiológico e o último, injeções de cisplatina, droga usada na quimioterapia desde 1970.

Os roedores foram acompanhados ao longo de 36 dias. Em todos eles, o tumor cresceu, mas o aumento foi bem maior (da ordem de 13 a 14 vezes) nos bichos que receberam soro ou a concentração mais baixa da “fosfo”.

Quando a pílula foi dada na concentração mais alta (500 mg por quilo de peso), o crescimento do tumor foi 35%menor; no caso do quimioterápico, esse crescimento foi cerca de 70% menor.

É esperado que diferentes tumores respondam de forma distinta a medicamentos, já que o câncer pode surgir por diferentes mutações no DNA.

Os testes devem continuar, inclusive envolvendo seres humanos, em São Paulo.